Arquivo de janeiro \21\UTC 2011

Grito Rock América Latina 2011 – release oficial

Grito Rock 2011: festival integrado conquista América Latina
Serão 130 cidades em 9 países circulando produção alternativa de música, cultura e tecnologias

Crescendo mais a cada ano, o Grito Rock chega a sua nona edição com o impressionante número mais de 130 cidades realizadoras em 2011, consolidando-se como o maior festival integrado das Américas.  O festival ultrapassa a fronteira da América Latina e será realizado em 10 países: Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile, Panamá, Costa Rica, Honduras e El Salvador.  A expectativa é que mais de 700 artistas se apresentem para um público de aproximadamente 200 mil pessoas.

Os eventos do Grito Rock acontecerão entre 19 de fevereiro e 28 de março, mas antes do início do espetáculo as bandas e artistas interessados, podem fazer suas inscrições via Toque no Brasil a partir de 12 de janeiro. No próximo mês também serão lançadas as campanhas que auxiliam a produção colaborativa em cada uma das edições, bem como as ações em rede incentivadas pela gestão do projeto.

O Grito Rock é uma produção do Circuito Fora do Eixo em conjunto com os coletivos e conta com parceria das Casas Associadas e apoio Toque no Brasil. Festival filiado à Associação Brasileira de Festivais Independentes – Abrafin.

Grito Rock Juiz de Fora

Em Juiz de Fora, o festival acontecerá, pela primeira vez, na maior casa da cidade, o Cultural Bar (culturalbar.com.br) nos dias 25 e 26 de março. As bandas interessadas em participar podem se inscrever pelo Toque no Brasil até 25 de fevereiro. A seleção se dará através do portal e seu critério norteador será a produção e circulação do trabalho autoral.

Pela primeira vez desde que começou a ser realizado de maneira colaborativa, o Grito Rock será realizado nos 27 estados brasileiros e em outros 9 países (em cidades da América do Sul e Central). Os 120 produtores confirmados na realização do Grito Rock representam um crescimento de 65% em relação a 2010, quando o projeto conectou mais de 80 pontos. Entre os produtores confirmados, 13 estão na região Norte, 18 são do Nordeste, 11 do Centro-Oeste e 17 no Sul, enquanto o Sudeste soma 63 realizadores e 10 cidades são de outros países.

Veja aqui o mapa: http://bit.ly/mapagrito2011

Grito Rock: Histórico

Fomento e profissionalização da cena independente da música foram as forças motrizes que fizeram nascer em Cuiabá (MT) a primeira edição do Grito Rock, em 2003, quando o Espaço Cubo escolheu o período de carnaval para a realização de um festival de baixo orçamento e com possibilidade de auto-gestão. Em 2004 deu-se intercâmbio em nível regional. Nos anos seguintes, o delineamento programático evidenciou-se ainda mais com a intensificação do intercâmbio e interiorização das ações.

Em 2007 e 2008 é adotado como um dos projetos do Circuito Fora do Eixo. Na ocasião mais cidades entram na gestão. No primeiro ano foram mais de 20 cidades integradas a rede do projeto; em 2008 o número saltou para 50. Em 2009, o Grito Rock atinge a marca de mais de 60 cidades e, em 2010, 80 pontos realizaram.

Sobre o Circuito Fora do Eixo

Rede de trabalho, colaborativa e descentralizada, constituída por 72 pontos presentes em 26 estados que há cinco anos experimentam, compartilham e aprimoram tecnologias livres de se produzir cultura.

Sobre o Coletivo Sem Paredes

O COLETIVO SEM PAREDES é uma rede colaborativa de trabalho no campo da cultura e da arte, que agrega produtores e agentes culturais de variadas inspirações. Organizados num coletivo cultural, esses agentes de Juiz de Fora-Minas Gerais têm como objetivo principal estimular a produção e circulação do material artístico independente, sob novos moldes de comportamentos, subjetividades, circulação de idéias e “modos de fazer” do produto cultural.

O SEM PAREDES é um coletivo integrado ao Circuito Fora do Eixo e como Ponto FDE em Juiz de Fora faz parte desse movimento que arrebata todo o Brasil  numa perspectiva de recepção e oferta: ofertando espaço, público, uma cidade linda, mercado, circulação, produtos e artistas. E recebendo e dissipando, da mesma forma, todas as idéias, princípios, iniciativas e projetos da Rede.
Serviço

O quê: Grito Rock 2011
Quando: 25 e 26 de março 2011
Onde: Cultural Bar – Av. Deusdedith Salgado, 3955 – Teixeiras – Juiz de Fora
Maiores informações: www.coletivosemparedes.com.br
atendimento@coletivosemparedes.com.br

, , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

GRITO ROCK 2011 EDIÇÃO JUIZ DE FORA

Para Juiz de Fora o festival trará ritmos e estilos musicais variados.
Em discussão no III Congresso Nacional do Circuito Fora do Eixo (em out/2010, Uberlândia), decidiu-se manter a palavra “rock” no nome do Festival para que a sua principal característica (se opor aos festejos tradicionais do carnaval) permanecesse evidente. O projeto busca dar lugar a novos sons e  comportamentos, diferentes daqueles que embalam o país nessa época, independentemente se estes são rotulados como rock, pop ou hard. O Grito Rock América do Sul é um dos projetos mais “livres” do CFE e cada cidade dá a ele a sua própria “cara”. Em JF somos especialmente privilegiados em poder contar com músicos de enorme talento, de inspirações e gêneros variados.
E pretendemos através desta ação mesclar e mostrar para o mundo o que a cidade produz de melhor. Em relação aos “novos sons”, a curadoria se esforçará para trazer aqueles que mais têm a ver com nosso público e aqueles que dialogam melhor com a tradição e os estilos locais.
Em Juiz de Fora o evento acontecerá nos dias 25 e 26 de março de 2011, no Cultural Bar, a melhor casa de shows da cidade!

Bandas, inscrevam-se pelo portal Toque no Brasil http://www.toquenobrasil.com.br. Acesse também o site do Festival http://www.gritorock.com.br

 

Não Pule, grite! Em Março, no Cultural!

, , , ,

1 comentário

GRITO ROCK AMÉRICA LATINA 2011

O Grito Rock é um festival que acontece na época do Carnaval em várias cidades simultaneamente, com o foco na promoção de artistas independentes. O Grito Rock surgiu em 2003, em Cuiabá (MT), com a proposta de incentivar e profssionalizar o cenário da música independente. Mas foi em 2006 que o evento ganhou força e passou a contar com bandas de todas as regiões do Brasil.Em 2007, 20 cidades brasileiras realizaram simultaneamente o festival entre os meses de janeiro e fevereiro. No ano seguinte, o número de cidades participantes saltou para 40 e passou a incluir representantes de toda a América do Sul.Hoje o Grito Rock reúne mais de 500 bandas provenientes de cidades de 25 estados brasileiros, promovendo a integração de representantes da cidade hospedeira com artistas de outras regiões do Brasil.

HistóricoFomento e profssionalização da cena independente da música foram as forças motrizes que fzeram nascer em Cuiabá a primeira edição do Grito Rock, em 2003, quando o Espaço Cubo escolheu o período de carnaval para a realização de um festival de baixo orçamento e com possibilidade de auto-gestão.A primeira edição do Grito foi pequena. Em um dia de shows, seis bandas locais evidenciaram a proposta de fomento ao som autoral em contraponto ao predominante contexto do “cover” à época. Daí pra frente, o festival foi marcado por uma crescente.Em 2004 deu-se intercâmbio em nível regional, bandas de Campo Grande foram escaladas para o set list do festival. Em 2005, o delineamento programático evidenciou-se ainda mais com a intensifcação do intercâmbio e interiorização das ações. Na programação, seis bandas por dia, somando ao todo 24, sendo 03 de Mato Grosso do Sul e 02 de municípios mato-grossenses como Sorriso e Sinop.Em 2006, a consolidação. O surgimento da Associação Brasileira de Festivais (ABRAFIN) e, em especial, do Circuito Fora do Eixo promoveu um boom no que tange a articulação de produtores, refetindo-se na excelente programação apresentada. Foram então escaladas bandas do norte, nordeste, sudeste, além de várias outras do centro-oeste do país. Foram dez estados representados por vinte e oito bandas. Além da programação, um marco histórico para o circuito se daria ali, quando a primeira reunião de produtores Fora do Eixo pontuaria as três premissas básicas de trabalho do CFE: a circulação de bandas, produtores e jornalistas, a distribuição de produtos culturais e o estímulo à produção de conteúdo através da comunicação.Em 2007 e 2008 o projeto ganha nova faceta, e é adotado como um dos projetos do Circuito Fora do Eixo. Na ocasião mais cidades entram na rede de ações e o projeto passa a ser realizado em dezenas de cidades no período do carnaval. No primeiro ano foram mais de 20 cidades integradas a rede do projeto; em 2008 o número saltou para 50.Em 2009, com uma nova confguração do CFE, agora estruturado em Pontos formalmente constituídos, o Grito Rock cresceu ainda mais, atingindo a marca de mais de 80 cidades integradas à rede.O Grito Rock 2010 foi o primeiro evento a fazer uso da ferramenta Toque no Brasil esta, um cadastro virtual de bandas interessadas em rodar pelo circuito independente do país, que é a via mais efciente de acesso ao universo de festivais e casas referenciais de cultura alternativa.

, , , , ,

Deixe um comentário

  • Twitter Sem Paredes

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.